EUA, 16 Dias Adicionar a Favoritos

Rota 66, desde Chicago até Los Angeles

Ao seu gosto de carro

Desde 2 495  €  2 095  € 
EUA: Rota 66, desde Chicago até Los Angeles, ao seu gosto de carro

Embarque nesta viagem pela estrada mais famosa dos Estados Unidos e percorra a "Rota 66" até Los Angeles"

A Rota 66 é um mito em si mesma, um ícone nos Estados Unidos e não é para menos. Os americanos chamam-lhe "The Mother Route" (a Rota Mãe) porque é uma das autoestradas federais originais e porque atravessa grande parte do país. É uma rota mítica e muito atrativa. Uma viagem de carro maravilhosa e mágica que jamais irá esquecer. 3945 quilómetros emocionantes onde atravessará lugares fascinantes, originais e autênticos, que o seduzirão e conquistarão. Além disso, o encanto desta viagem é que também vai encontrar pessoas fascinantes. Algumas que fazem a mesma viagem que você e outras que tentam manter o espírito original da "Route 66", seja com as suas lojas ou com o seu simples testemunho. Não hesite em pedir-lhes que contem os segredos mais bem guardados de "The Main Street of America", outro nome por que é conhecida. É uma viagem que possibilidade um elevado grau de liberdade, já que pode parar praticamente nos locais que quiser, em qualquer canto e em qualquer cidade mesmo que não apareça no mapa. Mas não se preocupe porque a "Rota 66" está bem sinalizada e é na sua grande maioria paralela a uma autoestrada, o que lhe permitirá recuperar tempo caso se divirta demais em qualquer dia. Além disso, terá a oportunidade de visitar duas grandes cidades como Chicago e Las Vegas e passar a noite no Grand Canyon, uma autêntica maravilha da natureza. A terminar, uma estadia inesquecível em Los Angeles, a capital mais cosmopolita da costa oeste. Atreve-se a tudo isto?

Serviços incluídos na viagem

  • Vôo de ida e volta.
  • Estadia em hotel seleccionado em Chicago.
  • Regime seleccionado em Chicago.
  • Estadia em hotel seleccionado em San Luis.
  • Regime seleccionado em San Luis.
  • Estadia em hotel seleccionado em Springfield.
  • Regime seleccionado em Springfield.
  • Estadia em hotel seleccionado em Oklahoma City.
  • Regime seleccionado em Oklahoma City.
  • Estadia em hotel seleccionado em Amarillo.
  • Regime seleccionado em Amarillo.
  • Estadia em hotel seleccionado em Tucumcari.
  • Regime seleccionado em Tucumcari.
  • Estadia em hotel seleccionado em Santa Fé.
  • Regime seleccionado em Santa Fé.
  • Estadia em hotel seleccionado em Holbrook.
  • Regime seleccionado em Holbrook.
  • Estadia em hotel seleccionado em Grand Canyon.
  • Regime seleccionado em Grand Canyon.
  • Estadia em hotel seleccionado em Las Vegas.
  • Regime seleccionado em Las Vegas.
  • Estadia em hotel seleccionado em Los Angeles.
  • Regime seleccionado em Los Angeles.
  • Aluguer de carro.
  • Seguro de Viagem.

Serviços NÃO incluídos

  • Autorização Electrónica (ESTA/ETA) para entrar em EUA.
  • Resort fee Las Vegas
Itinerário Completo

Dia 1: Portugal - Chicago

Partida no voo da cidade de origem com destino a Chicago e recolha do carro de aluguer. Depois de realizar as formalidades aduaneiras e de chegada relevantes, recolha o seu carro alugado e comece a desfrutar das suas férias. Tem o resto do dia livre para começar a conhecer uma das cidades mais interessantes dos EUA. E saborear a deliciosa gastronomia. Alojamento em Chicago.

Dia 2: Chicago

Os amantes de Nova Iorque ficarão com o coração dividido assim que puserem um pé em Chicago. É também a cidade dos arranha-céus, mas com uma vida e um caráter que podem bem levá-lo a ser infiel à Big Apple por algumas horas. O centro da cidade é o bairro de The Loop. Aqui se encontra o Millenium Park, com as suas esculturas opulentas e gigantescas. Não se esqueça de tirar uma fotografia junto ao Cloud Gate ou à Crown Fountain. E prepare-se para continuar a tirar fotografias! Chicago é uma daquelas cidades que nos mantêm de boca aberta aonde quer que vamos. Poucas sensações podem ser mais agradáveis do que ouvir a música ao ar livre sob a estrutura do Jay Pritzker Pavillion. Além disso, em The Loop também encontrará uma enorme oferta cultural e alguns dos mais famosos arranha-céus da cidade. Daqui também se pode ter acesso ao Navy Pier, uma ótima maneira de começar o dia. Abre às 10h00 e apresenta uma das melhores vistas do Lago Michigan e alguns dos melhores planos para a cidade, se for com crianças. A Roda Gigante e o museu das crianças são sempre uma aposta segura. A partir daqui, terá acesso a alguns dos barcos que oferecem um agradável passeio pelo Lago Michigan. (Nota. Excursão não incluída). Para ver a cidade de outra perspetiva, nada melhor do que subir até ao topo, especificamente à Torre Willis (anteriormente conhecida como Sears Tower), a mais de 400 metros de altura. Poderá apreciar a modernidade de uma das cidades mais interessantes nos Estados Unidos. Daqui verá a Michigan Avenue, a Chicago Golden Mile. Quando descer, pode ir até lá. Estarão à sua espera as lojas mais exclusivas, uma ampla oferta gastronómica e a atmosfera mais exclusiva. Este bairro também é o local ideal para admirar a arquitetura da cidade. Não é preciso ser um erudito na matéria para desfrutar do percurso pela South Michigan Avenue ou pela State Street. Ao sul de The Loop, os amantes da arte têm encontro marcado com os melhores museus da cidade. Os nossos favoritos são o The Art Institute of Chicago, onde o tempo parece deter-se entre as suas valiosas obras de arte, e o Museu de Ciências Naturais, onde pode conhecer Sue. Não se esqueça de perguntar por ela! (Nota. Para entrar nos museus e poupar-se às filas para as principais atrações da cidade, muitos viajantes optam por comprar o CityPass. Faça as contas para ver se compensa, mas pense que poupará muito tempo, evitando-lhe horas de espera que poderá investir em visitas a outros lugares da cidade). Para terminar o dia, nada melhor do que passear pelo Lincoln Park, ao norte da cidade. As suas principais atrações são o Zoo e a represa de Caldwell Lily Pool. À noite, desfrute do ambiente dos famosos clubes de jazz da cidade. Alojamento em Chicago.

Dia 3: Chicago - St. Loius

Antes de partir para St. Louis, poderá aproveitar para ver algo que não tenha tido oportunidade de visitar no dia anterior ou para visitar a Universidade de Chicago e Hyde Park. Claro, tenha em conta que está a aproximadamente 500 quilómetros de St. Louis. São quase 5 horas pela autoestrada 55, pelo que deverá carregar o seu telemóvel e o seu iPod com músicas de Robert Johnson, Muddy Waters e BB King.... e vá em frente! Esta é uma etapa famosa porque faz parte de várias rotas, como a 66 e a 61, entre outras. Assim, encontrará pelo caminho dezenas de carros que estão a fazer o mesmo percurso. Certamente serão de nacionalidades muito diversas, pelo que é um bom exercício multicultural misturar-se e coincidir nalgumas das mais típicas visitas do dia. Decerto isso tornará o dia na estrada mais agradável e, quem sabe, talvez faça um amigo que viva do outro lado do planeta. A primeira paragem pode ser Joliet. É a menos de uma hora depois de sair de Chicago, mas o Teatro Rialto vale bem a uma paragem. Se acha que é muito cedo para parar, siga a sua rota para Wilmington, onde pode fotografar-se sob o "Gemini Giant", e para Braidwood. Aí o esperam várias réplicas de Elvis, de Betty Boop ou dos Blues Brothers, bem como cafés que o transportarão de volta aos anos 60. Como já deve ter percebido, aqui a questão da gasolina não é problema. Não convém confiar demasiado e levar o depósito até ao fim, mas é muito comum encontrar postos de gasolina, mesmo em pequenas localidades. Um bom exemplo é o que encontrará em Odell. Vai querer parar para reabastecer! Outro conselho é usar um bom GPS. A "Route 61" está muito bem sinalizada, mas ser-lhe-á muito útil se sair da rota para fazer alguma visita. As ligações entre as estradas são tão comuns que agradecerá a ajuda em determinados momentos. As paragens nas localidades de Pontiac e Towanda são opcionais, mas nem por isso menos atraentes. Se parar em Pontiac, não se esqueça de visitar o museu e desfrutar dos murais que decoram algumas fachadas. Em Towanda, pode passear ao longo da estrada por onde passava originalmente a "Route 66". É uma mistura de nostalgia e magia que o fascinará com certeza. A estrada é muito confortável nesta área e convidará a deliciar-se com a paisagem. Extensões intermináveis ​​de campos de milho ou instalações gigantes que foram o orgulho dos mecânicos desta região. Dependendo da hora a que chegue, Springfield pode ser um ótimo local para comer. Não se deixe surpreender pela infinidade de locais de comida rápida. Poderá deixar-se levar ou procurar algum restaurante local para provar as típicas saladas americanas repletas de salsa e bacon ou os clássicos cachorros-quentes. Como atrações, a cidade é conhecida pela casa de Abraham Lincoln, o Capitólio e pela beleza do lago Springfield. Daqui até St. Louis é uma hora e meia de caminho, pelo que o aconselhamos a fazer a viagem sem paragens, para ter tempo de visitar a cidade. Além do beisebol e dos blues, os dois principais símbolos de Saint Louis, o terceiro é o Gateway Arch. Fica muito perto de Eads Bridge, pelo que pode aproveitar para visitar ambos os lugares. A ponte é famosa por ser a primeira que uniu as duas margens do rio Missíssippi, o que não é pouca coisa, uma vez que uma pertence ao estado de Missouri e a outra ao de Illinois. Para ir fechando o dia, nada melhor do que perder-se num bar que produza a sua própria cerveja. Há muitos, pelo que não deverá ser difícil localizar um. Para o jantar, uma boa opção poderá ser uma aventura em The Hill, um ninho de restaurantes italianos. E não falamos de um qualquer restaurante italiano, mas sim de que aqui se concentram alguns dos chefs mais importantes do mundo. Não se pode ir a Saint Louis e não ouvir blues ao vivo num sítio qualquer. Pergunte qual é o local mais na moda, que será provavelmente no bairro de Soulard, e não hesite em desfrutar dos acordes dos melhores executantes. Alojamento em Saint Louis.

Dia 4: St. Louis - Springfield

Está na "Rota 66" e isso nota-se. Por essa razão, talvez hoje seja o dia menos intenso de todos, pelo que o iremos desfrutar e aproveitar ao máximo para que seja perfeito. De forma a começar da melhor forma, não há nada melhor que regressar poucos quilómetros atrás e aceitar a chamada da nostalgia, a Old Chain of Rocks Bridge. É uma ponte histórica que liga as duas margens do rio Missíssippi e que, embora antigamente permitisse a passagem de veículos, é agora uma das mais longas do mundo só para peões. Atravessá-la contém uma aura de mistério que o levará praticamente ao espírito original da "Route 66". São quase dois quilómetros que separam os Estados de Illinois e Missouri, onde poderá desfrutar de um momento mágico. Sente-se nos bancos e sonhe com blues e jazz. Quando terminar, regresse ao carro, ponha boa música, e dirija-se a Eureka. Poucos quilómetros antes de chegar, poderá ver o Parque Estatal Route 66 State Park, procure por um pequeno museu e não hesite em entrar. O interior guarda itens originais da "Mother Route", o modo como a "Rota 66" é conhecida nos Estados Unidos. Lembre-se de que ao longo do dia seguirá paralelamente à autoestrada, às vezes à esquerda, outras, atravessando pontes, à direita. Por esta razão, não se fie nos tempos que os GPS mostrarem, porque o habitual é que se baseiem na autoestrada. Mas não se preocupe, porque hoje terá um dia fácil e confortável. Pode parar onde quiser, é a vantagem do modo que escolheu para passar as suas férias. Tem liberdade total, por isso desfrute e atreva-se a improvisar! Baixe as janelas e respire fundo. Passará por Villa Ridge e chegará a Meramec Caverns, um local muito especial que se encontra aberto ao público desde 1933. Foi o refúgio do famoso bandido Jesse James e do seu bando e hoje é um espetáculo de estalactictes e estalagmites. Prosseguindo pela Rota, a próxima paragem é Cuba. Sim, sim, há uma Cuba no Missouri. Conhecida como a cidade dos murais, em breve entenderá porquê. Faça uma paragem num dos cafés para um lanche e desfrute dos murais, muitos deles originais, com uma temática única: a "Rota 66". E aqui respira-se e transpira-se a estrada. Se gosta de coisas estranhas, pare em Fanning e veja a segunda maior cadeira do mundo. É espetacular! E não se esqueça de tirar uma fotografia ao seu lado para mostrar quando regressar caso, caso contrário ninguém irá acreditar. Em Lebanon, poderá parar para comer e desfrutar do Museu da Rota 66. Irá adorar, tal como pôr gasolina em qualquer uma das estações de gasolina que encontrará ao longo do caminho. São fantásticas, estão cheias de histórias e é provável que o pessoal esteja disposto a contar-lhas, se for amigável. Em Lebanon, faltar-lhe-ão cerca de 90 quilómetros para chegar a Springfield, por isso já está perto do final da etapa. Ao chegar ao fim do percurso, desfrute do tempo livre e aproveite para conhecer a cidade ao seu ritmo. Uma recomendação? Pode visitar o castelo Pythian durante noite para comprovar que é verdadeira a lenda sobre os fantasmas. Alojamento em Springfield.

Dia 5: Springfield - Catoosa - Tulsa - Oklahoma City

A melhor maneira de começar o dia é com um bom pequeno-almoço americano e reabastecer para partir em direção a Springfield com o estômago e o depósito cheios. Tem pela frente um dia excitante, 100% "Route 66". 500 km fascinantes ao longo da estrada que têm o seu primeiro ponto de interesse em Gay Parita. É uma estação de gasolina mítica que passou por várias mãos desde 1930. O proprietário mais famoso foi Gary Turner, que faleceu em 2015. Hoje, a filha de Gary e o seu marido retomaram as rédeas do negócio e seguem as pisadas do seu pai. Se fizer uma paragem aqui, perca algum tempo a falar com eles para que lhe expliquem a figura de Sr. Turner e a sua contribuição histórica dentro da "Mother Route". A próxima proposta também é um posto de gasolina. Terá que se desviar alguns minutos do seu caminho. É uma estação de serviço que poderá reconhecer imediatamente, uma vez que as carrinhas à entrada são as gémeas protagonistas do filme "Carros", da Pixar. E daí o seu nome, "Cars on the Route". Dispõe de um pequeno e maravilhoso restaurante no qual poderá tomar café antes de seguir viagem para o Kansas. Na verdade, não demorará muito a chegar a Brush Creek Bridge, uma ponte branca imaculada na qual não poderá perder a oportunidade de tirar uma fotografia com o símbolo da "Rota 66" pintado no pavimento. Todos estes lugares são mágicos e guardam milhares de histórias, pelo que não deverá hesitar em perguntar a qualquer habitante local que encontrar. Deixará o Kansas com nostalgia e entrará em Oklahoma, onde grande parte da rota original foi repavimentada, constituindo atualmente uma autoestrada. É uma pena para os românticos, embora permita recuperar o tempo perdido em todas as paragens. A primeira paragem em Oklahoma poderia ser o Vintage Iron Motorcycle Museum em Miami - embora seja Miami de Oklahoma, não da Flórida - que inclui autênticas obras de arte retiradas do mundo a duas rodas. Aqui poderá também visitar o Coleman Theatre e comer numa das melhores hamburguerias de toda a "Rota 66". Quase nada. Em seguida, poderá regressar à estrada até chegar a Totem Pole Park, um totem de 30 metros de altura, muito curioso e repleto de detalhes. A caminho de Oklahoma, passará por Catoosa e por Tulsa, a capital do petróleo. Tanto assim é, que o aconselhamos a encher o depósito do carro aqui porque não encontrará gasolina tão barata noutros lugares. Em caso de falta de tempo, poderá optar por efetuar este último trajeto do dia pela autoestrada. Para terminar o dia, caso seja um apaixonado pelos carros, poderá visitar a casa-museu de John Hargrove, em Arcadia. É absolutamente indescritível, quer a sua coleção quer a sua amabilidade. Após percorrer poucos quilómetros, chegará a Oklahoma City. Aqui, espera por si a cidade dos Cowboys, toda ela um espetáculo durante a noite, quando está iluminada. As zonas mais centrais são Midtown e Metropark. Alojamento em Oklahoma City.

Dia 6: Oklahoma City - El Reno - Weatherford - Clinton - Elk City - Amarillo

Está a atravessar a planície dos Estados Unidos na rota mais autêntica de todas as que atravessam o país, pelo que deverá estar a desfrutar bastante por esta altura. Hoje, atravessará os Estados de Oklahoma e Texas, naquele que será um dos dias favoritos da "Rota 66". Antes de deixar a cidade, são horas de tomar o pequeno-almoço. E o que poderia ser melhor que provar os seus deliciosos pasteis fritos, muito típicos nesta zona. Pode encomendá-los para levar e comer durante a primeira paragem do dia, em Lake Overholser Bridge, um lugar maravilhoso onde gostaria de ir todos os fins-de-semana para um piquenique. Relvado, um lago e uma ponte em fundo. Que mais se pode pedir? Regresse à estrada quando achar conveniente, passando por El Reno, Weatherford e também Clinton. Verá que a paisagem muda profundamente ao mudar de Estado e, por esta altura, já estará familiarizado com os moinhos de energia eólica que são caraterísticos desta zona. A poucos minutos de Clinton, poderá visitar o Oklahoma Route 66 Museum. É como uma pequena cidade em que tudo é perfeitamente recriado, desde a estação ferroviária à ópera, à taberna e até à mulher da época com os rolos na cabeça. A "Rota 66" está repleta de lugares incríveis, mas também de pessoas apaixonantes que fazem deste percurso uma experiência única. Pois bem, se tiver sorte, tem à sua espera Erick na saída 11, depois de Elk City. Vive em Erick, uma pequena povoação onde a figura maior é Harley, o dono do City Meat Market. Nem sempre está aberto, mas ele vive muito perto e geralmente aparece quando vê movimento. Se não aparecer - barba longa, branca e cabelos brancos -, pergunte por ele, porque conhecê-lo melhorará - ainda mais - o seu dia. Assim que Harley queira, seguirá caminho pela Rota, entrando no Texas e passando por Shamrock, onde poderá visitar os dois postos de gasolina mais únicos do dia. Em seguida, passará por McLean e Groom, antes de chegar a Amarillo. Este último trajeto da etapa é maravilhoso, com o sol no fundo para oeste, realçando ainda mais os moinhos de vento localizados em ambos os lados da estrada. No final dia, chegará a Amarillo, onde poderá jantar e descansar. Não pode perder um jantar de carne grelhada num dos estabelecimentos mais típicos da cidade. Alojamento em Amarillo.

Dia 7: Amarillo - Tucumcari

Durante a sua etapa de hoje chegará ao equador da sua viagem. Portanto, ânimo e vamos para a estrada, porque esperam-no alguns lugares muito interessantes e muito diferentes. O primeiro é Cadillac Ranch, de onde poderá avistar um dos doze Cadillacs que lá estão enterrados. Pode comprar latas de spray numa das lojas ou de Amarillo ou comprá-las aqui mesmo. Você decide! Será, sem dúvida, uma obra efémera, porque passam por aqui centenas de pessoas por dia e, provavelmente, pintarão sobre a sua criação, mas não importa. Viverá um momento divertido, poderá fazer o que quiser e tirar fotografias originais para os seus entes queridos. Quando se lhe acabar a inspiração, dirija-se a Adrian. Em si mesma, não tem nada de especial, a não ser que é o Midpoint, a meio da ""Route 66"". Estará precisamente a tantos quilómetros de Chicago como de Los Angeles. Celebre-o na cafetaria mais típica da povoação e leve uma recordação. Quando voltar para a estrada, verá que existem troços que não são asfaltados e outros que estão cortados. Não se preocupe, porque terá sempre desvios por perto para entrar na autoestrada e poderá voltar à Rota na próxima saída. Apenas a 40 km de Adrian deixará o Texas e atravessará para o Novo México, o sexto Estado desde que começou a viagem em Chicago. Não está nada mal. Depois da fronteira encontrará Tucumcari, um dos locais mais bem preservados da ""Route 66"", salpicado de ranchos e quintas com muita história. Além disso, este lugar é famoso pelos seus murais, que são muito originais. Há 31, por isso pode fotografar-se com todos os que quiser. O mais espetacular mede 40 metros de comprimento por 7 de altura. Verá que Tucumcari é um enclave muito original. A atmosfera inconfundível e pitoresca que rodeia alguns dos seus motéis e cafés conquistá-lo-á. Alojamento em Tucumcari.

Dia 8: Tucumcari - Santa Fe

A partir de Tucumcari, pode conduzir até Santa Rosa. Consoante a época do ano em que realize a viagem, poderá levar o fato de banho e dar um mergulho num dos seus lagos. A partir daqui, recomendamos que abandone temporariamente a "Rota 66", apanhando a autoestrada até chegar a Santa Fe, uma vez que compensar chegar com tempo, uma vez que o centro histórico vale a pena. É a capital mais antiga dos Estados Unidos e uma das cidades mais pitorescas do Estado do Novo México. Passear pelos arredores da Catedral de São Francisco é uma experiência inesquecível. A arquitetura é muito singular e embora haja uma elevada percentagem de turistas, ainda preserva o espírito original da "Route 66". Alojamento em Santa Fe.

Dia 9: Santa Fe

Hoje continuará a descobrir os encantos de Santa Fe. Recomendamos que faça um passeio por alguns dos bairros históricos e volte atrás no tempo graças aos originais edifícios de adobe. Descubra as galerias de arte, visite museus de arte tradicional ou contemporânea ou faça compras na zona comercial. Outra recomendação? Experimente a gastronomia local num restaurante gourmet. Alojamento em Santa Fe.

Dia 10: Santa Fe - Albuquerque - Holbrook (Visita opcional ao Parque Nacional da Foresta Petrificada)

Acordar em Santa Fe é uma ótima maneira de começar o dia e pode acordar com calma, a menos que a sua viagem coincida com o mês de outubro. Ao longo de três fins-de-semana deste mês celebra-se o Festival de Balões de Albuquerque, o maior do mundo. Começa às 4h00, com o início dos preparativos, e termina ao anoitecer, com os balões iluminados sulcando o céu do Novo México. É um espectáculo único e não hesite em vivê-lo, mesmo que seja apenas por algumas horas. Não se arrependerá! Se viajar noutra época do ano, não se preocupe, tome o pequeno-almoço com calma e prepare-se para continuar a desfrutar da ""Route 66"", mas começando pelo oeste. A nossa primeira paragem é Albuquerque. São cerca de 100 quilómetros e recomendamos que os faça sem parar, para chegar ao Historic Downtown de Albuquerque e passear por algum tempo. Lembrar-lhe-á Santa Fe, pelo tipo de construção e pelo ar de tranquilidade que se respira aqui. Uma paz que se viu perturbada pela rodagem das cinco temporadas de ""Breaking Bad"". Por isso, se é um fã da série, pode começar a visita pelos lugares mais famosos da gravação. Começar pela casa de Walt, o protagonista, é uma boa escolha, e depois é só seguir a fila de pessoas, por desde há algum tempo que esta parte de Albuquerque se tornou um santuário de fãs do professor de química mais famoso do mundo. Na verdade, há uma opção para os fãs, que é fazer um passeio no interior da caravana de Walter pelos locais mais emblemáticos. Quando terminar, volte para a estrada e rume a Gallup. Passará por Mesita e por Grants, mas há pouco a ver lá. Em Gallup, no entanto, para quem gosta de fantasias e de lembranças, há uma lista de lojas que serão a sua perdição. Aqui poderá comprar roupa de cowboy ou de índio. Pode até levar um arco e flechas, se quiser reviver agora aqueles momentos em que brincou aos índios e cowboys. Quando deixar Gallup para trás e já não a vir no espelho, verá que a paisagem começa a mudar. Isso significa que já entrou no Arizona! Por isso, diga adeus às planícies infinitas e diga olá às Montanhas Rochosas... E pronto! Ganhou uma hora apenas por pisar o seu sétimo estado nesta Rota. Lembre-se que no Arizona é uma hora menos do que no Novo México e, portanto, pode reviver novamente essa hora na sua especial ""Route 66"". A nossa sugestão é que a invista no Parque Nacional da Floresta Petrificada. Aqui encontrará uma das maiores concentrações do mundo de madeira petrificada e de escavações arqueológicas com 1300 anos de idade. Além disso, esta visita calhará bem para comparar e calibrar mais tarde a vastidão do Grand Canyon. Se aqui se sente insignificante, imagine lá! A estrada através do Parque Nacional leva a Holbrook, onde passaremos hoje a noite. Alojamento em Holbrook.

Dia 11: Holbrook - Grand Canyon

Hoje é interessante levantar-se cedo e divertir-se um pouco na estrada, porque o Grand Canyon, uma das maiores maravilhas naturais do mundo, espera por si. A 20 quilómetros de Holbrook pode parar em Jackrabbit Trading Post e descobrir o mais famoso coelho da Rota. É enorme e poderá fotografar-se montado nele. Após mais 20 km chegará à cidade de Winslow, famosa pelo enorme sinal da ""Route 66"", que está pintado na sua rua principal. Como o dia é bom para fotografias, pode dedicar alguns minutos a retratar esta recordação. A partir deste ponto, recomendamos que entre na autoestrada 40 e cubra o troço até ao Grand Canyon com agilidade pela 89 e 64. São 200 quilómetros ou, o que é o mesmo, duas horas para chegar a um dos lugares mais incríveis do planeta. Depois de atravessar a entrada leste com o seu carro, sentir-se-á em comunhão com a natureza. É tudo tão impressionante que, por vezes, chega a ser esmagador. A definição de ""canyon"" é uma erosão de um rio sobre um terreno ao longo de milénios. Aqui, essa definição fica aquém. O rio Colorado criou uma obra de arte ao modelar o terreno, como um oleiro que cria a sua escultura para a apreciação do público. Chegará a Grand Canyon Village (Nota. Entrada não incluída). Recomendamos que faça cálculos, para saber se compensa comprar o passe anual para todos os Parques Nacionais, não porque vá voltar, mas porque, possivelmente, se fizer três visitas, poderá compensar). Daqui só tem de se deixar levar de miradouro para miradouro. Na verdade, pode deixar o carro estacionado no Centro de Visitantes e, literalmente, deixar-se levar por um dos autocarros gratuitos que percorrem os lugares mais interessantes da área. Fica ao seu critério. Não desfrutará da liberdade que lhe dá ir no seu próprio carro, mas poderá descansar e certificar-se de que não perde nenhum lugar especial, uma vez que existem espaços que são abertos apenas para estes autocarros. Tem várias rotas diferentes, por isso não se esqueça de escolher a que mais o seduzir. No entanto, esta não é a única maneira de visitar o Grand Canyon. Cada vez mais são aqueles que preferem fazer um passeio de helicóptero para ver este milagre da natureza em todo o seu esplendor. Obviamente, a cada oportunidade que surja, aproveite e terá uma recordação inesquecível. Outra opção é a caminhada através de alguns dos trilhos que estão marcados para isso. Mas informe-se bem do tempo médio de cada percurso porque costumam ser trajetos a realizar em mais de um dia. Para fechar o dia para ir, nada melhor do que assistir ao pôr-do-sol de frente para oeste e desfrutando de uma verdadeira festa para o olhar. Pense que está a viver momentos únicos e que, se as nuvens o permitirem, poderá ver um dos melhores entardeceres do mundo. Mas não pense que o dia acaba aqui. Como hoje dormirá na zona, tem o privilégio, se as condições climáticas forem boas, de ver o céu estrelado como nunca o viu. A poluição luminosa é zero e poderá ver as estrelas, as constelações e tudo o que pode ser visto no céu. Alojamento no Grand Canyon.

Dia 12: Grand Canyon - Hoover - Las Vegas

Aqueles que gostam de colecionar alvoreceres podem levantar-se cedo para adicionarem à sua coleção aquele que é o alvorecer considerado o melhor do planeta. Ver nascer o sol no Grand Canyon será uma experiência que nunca esquecerá. Depois de acumular essa experiência única na sua mochila virtual, pode continuar. Se optou por prolongar por mais uma noite a estadia neste enclave único, hoje pode explorar alguns dos trilhos que comentámos ontem, ou pode optar pelos desportos de aventura. O mais espetacular é, sem dúvida, o rafting. Descer os rápidos num bote de borracha é pura adrenalina e outras das maneiras de conhecer os segredos do Grand Canyon. A última opção que lhe propomos é que se lance ao North Rim, a parte norte do Grand Canyon. É a parte mais íngreme e, nos meses de inverno, costuma estar fechada devido à acumulação de neve, pelo que só é aconselhável se viajar noutra época do ano. Se não prolongou a sua estadia, deve voltar à Rota para Las Vegas, no Estado do Nevada. A estrada levá-lo-á através de uma das áreas mais bem preservadas da ""Route 66"", por isso desfrute do caminho. É imprescindível que pare na Barragem Hoover, assim denominada em homenagem a Herbert Hoover que desempenhou um papel fundamental na sua construção, primeiro como Secretário de Comércio e depois como Presidente dos Estados Unidos. Chegada à cidade da fantasia e dos jogos de azar 24 horas por dia, com espetáculos surpreendentes de nível internacional. É normal que em primeiro lugar deseje inspecionar o seu hotel até ao último recanto. Certamente que vale a pena, por isso, vamos! Quando acabar, pode começar por percorrer a rua principal, a Strip. Cruzar-se-á com centenas de despedidas de solteiro que tentam emular os protagonistas do famoso filme ""The Hangover"" e dezenas de angariadores a distribuir panfletos. Vá com calma, porque aqui as distâncias são muito longas e demorará algum tempo a percorrer o que tiver marcado no mapa. Um mapa onde cabe o mundo inteiro, já que andar por esta rua o levará à Torre Eiffel, à Estátua da Liberdade, aos canais de Veneza e às pirâmides egípcias. Antes de voltar para o hotel, também pode assistir ao espetáculo aquático do casino Bellagio. Litros e litros de água dançando ao som da música com um jogo de luzes e cores que certamente o surpreenderão. Nem sempre é o mesmo. Pode, por isso, assistir a mais de um. Este espetáculo do Bellagio não é o único gratuito. Alguns dos maiores hotéis também os têm. De volta ao hotel, pode tentar a sua sorte no casino ou nas slots. Alojamento em Las Vegas.

Dia 13: Las Vegas - Mojave - Los Angeles

Diga adeus a Las Vegas porque Los Angeles aguarda por si. O dia de hoje tem muita estrada, cerca de 500 quilómetros, embora seja muito tranquilo. Na verdade, a primeira paragem que lhe propomos são os Fashion Outlets de Las Vegas, pouco antes de atravessar a fronteira com o Estado da Califórnia. São gigantes, como tudo aqui nos Estados Unidos pelo que o aconselhamos a controlar o tempo, já que é fácil ficar deslumbrado pelas ofertas e acabar o dia à procura das melhores pechinchas. Quando partir, entrará na Califórnia e circulará durante 170 quilómetros, deixando à sua esquerda a Reserva Nacional do Mojave, que o acompanhará para lá de Baker, e atravessando as localidades de Midway e Harvard, antes de chegar a Calico. É uma cidade fantasma realmente fascinante. Embora tenha ambições de se tornar uma atração turística, a sua natureza não deixa de ser a de uma antiga mina abandonada que, pagando a entrada, poderá visitar. Poucos minutos depois, chegará a Barstow, outro paraíso de compras. Há uma série de outlets muito interessantes onde encontrará muitas pechinchas e poderá encher a mala de roupas a bom preço. De Barstow a Pasadena são duas horas e meia de caminho. Poderá fazer o percurso sem paragens e atravessar - pela 15 - a Floresta Nacional de Angeles até chegar a Pasadena. Abandonar a "Rota 66" irá permitir-lhe ganhar tempo e apreciar os contrastes, já que a mudança para uma condução sem trânsito nas autoestradas espaços de Los Angeles é surpreendente. Se é fã da "Teoria do Big Bang", em Pasadena pode ir a Cheesecake Factory, onde no início da série trabalhava Penny. O apartamento de Sheldon e Leonard não existe como tal, mas comer um hambúrguer e um pedaço de bolo aqui pode ser uma experiência no mínimo curiosa. A partir deste local até Los Angeles demora pouco mais de meia hora, já que o trânsito poderá provocar alterações na duração da viagem. Provavelmente chegará tarde, pelo que aconselhamos a fazer uma pausar e dar um passeio nas imediações do hotel. Alojamento em Los Angeles.

Dia 14: Los Angeles (Excursão opcional a Hollywood, Beverly Hills e Santa Monica)

Visitar em tão pouco tempo uma cidade tão grande e com tantas coisas para ver como Los Angeles é impossível, razão pela qual selecionámos os melhores planos. O objetivo é que se organize bem, utilize o carro para poupar tempo nos trajetos mais demorados. Pode começar o dia dirigindo-se ao centro, para Downtown. Tudo lhe parecerá familiar e começará a assimilar que chegou a uma cidade que já conhece dos filmes. O edifício da câmara municipal, por exemplo, é um dos locais mais famosos de Los Angeles por ter sido o local onde, entre outros, se filmou a sede do jornal "Daily Planet", onde trabalhava o Super-Homem. Muito perto deste local encontra-se a Catedral e o Walt Disney Concert Hall, um edifício espetacular. Apenas a 5 minutos de distância começam os bairros mais típicos de Los Angeles: Chinatown e Little Tokyo. Estes permitirão que passe num abrir e fechar de olhos dos EUA para a China e para o Japão. A quinze minutos de carro pela 101 chegará a Hollywood. A meca do cinema oferece excursões guiadas pelas suas instalações e, caso os horários coincidam com a sua visita, poderá ser uma opção muito interessante para conhecer os segredos deste gigante das películas. A pé, pode percorrer o passeio da fama e procurar a estrela em honra da sua atriz ou ator favorito, mas mantenha os olhos bem abertos, porque a probabilidade de se cruzar com eles em carne osso ao longo do dia é muito elevada. A partir daqui, poderá deslocar-se para Beverly Hills antes de chegar a Santa Monica, pelas autoestradas 2 e 10. Beverly Hills é o cúmulo do luxo. Mas antes de chegar ao bairro mais luxuoso da cidade, poderá parar para comer em Sunset Strip e fazer algumas compras durante o caminho. Redescobrimos Beverly Hills com a série "Beverly Hills, 90210", embora na realidade esteja repleta de mansões de famosos. Se é fã de "Pretty Woman", muito perto daqui, em 9500 Wilshire Blvd, encontra-se o hotel onde Julia Roberts e Richard Gere partilharam um quarto. Quando terminar, dirija-se a Santa Monica e aproveite uma boa caminhada pela praia. Caso seja verão, poderá tomar banho no mar, caso contrário não se preocupe, porque durante a toda a viagem até Venice Beach, há bastantes atrações para todos os visitantes. No final do dia, poderá regressar ao hotel e descansar, porque foi merecido. Se ainda tiver forças, poderá sair para jantar e tomar um copo nos locais da moda na cidade. Alojamento em Los Angeles.

Dia 15: Los Angeles - Portugal

Comparência no aeroporto com antecedência suficiente para devolver o carro de aluguer e apanhar o avião que vai levar-nos de regresso à cidade de origem. Noite a bordo.

Dia 16: Portugal

Chegada. Fim da viagem e dos nossos serviços.

Notas importantes

  • - As gorjetas em EUA são uma prática comum.
  • - Consulte a documentação necessária para entrar no país.
  • - As excursões e visitas sugeridas para cada dia são indicativas, podendo o turista personalizar a viagem de acordo com o seu programa, gostos e necessidades.
  • - O cartão de crédito é considerado uma garantia, pelo que, por vezes, o seu uso é imprescindível para se registar nos hotéis.
  • - Normalmente os hotéis dispõem de berços para bebés. Caso contrário, terão de dividir cama com um adulto.

Chicago

A cidade de Chicago, também conhecida como a Cidade dos Vento, é uma das mais importantes do país, e tem mais de mil arranha-céus. Esta cidade multicultural foi a casa de Al Capone e actualmente hospeda milhares de turistas a cada ano que vêm para apreciar a sua cultura, música ao vivo, a sua icónica linha de horizonte, bem como a sua vasta gama de ofertas turisticas. Chicago oferece opções para todos os gostos.

San Luis

Localizada a sul do ponto de confluência entre os rios Mississippi e Missouri, Saint Louis foi desde sempre um centro de transporte fluvial, tanto na época em que era habitada pelos indígenas, como quando a ocuparam os franceses ou na actualidade.

Springfield

Catoosa

Tulsa

Oklahoma City

Oklahoma City é uma grande cidade e um centro comercial e civil do estado de Oklahoma. É uma das maiores cidades das Grandes Planícies dos Estados Unidos, e a cidade com maior população dos cinco "estados planos" (Oklahoma, Kansas, Nebraska, Dakota do Norte e Dakota do Sul), bem como de quatro dos seis estados que limitam com o Oklahoma (Kansas, Missouri, Arkansas, Novo México).

El Reno

Weatherford

Clinton

Elk City

Shamrock

Amarillo

Amarillo é um lugar perfeito para desfrutar o espírito do Texas, mesmo que tenha pouco tempo disponível. De desfiladeiros a velhos Cadillacs, de bifes gigantes a magníficas paisagens, a cidade é o sonho dos amantes do faroeste.

Tucumcari

Tucumcari é uma cidade localizada no condado de Quay, no estado norte-americano do Novo México.

Santa Fé

Santa Fe, em cujas terra viveram os índios durante mais de 1000 anos, converteu-se numa capital territorial espanhola no início do século XVII. Actualmente é um centro mundialmente reconhecido no âmbito das artes, da gastronomia e das cimpras, apesar de ter conseguido manter a sua tradição e os elementos únicos que a mantêm.

Holbrook

Holbrook é uma cidade localizada no condado de Navajo no estado norte-americano de Arizona.

Grand Canyon

O Grand Canyon é um terreno montanhoso impressionante localizado ao norte do Arizona e é atravessada pelo rio homônimo. O presidente americano Roosevelt era um grande admirador desta maravilha natural por causa das vistas privilegiadas, mas também os visitantes do Grand Canyon podem desfrutar de atividades ao ar livre, como rafting e caminhadas.

Las Vegas

Se você quer diversão Las Vegas deve ser a sua opção principal, aqui vai encontrar imensos casinos com os seus shows incríveis na cidade do pecado. Nesta capital pode encontrar os melhores imitadores de estrelas da música e do cinema como Madonna ou Elvis Presley, bem como artistas de rua a qualquer hora do dia ou da noite, e é que Las Vegas nunca dorme.

Mojave

Los Angeles

Los Angeles pertence ao estado da Califórnia, EUA, e é um dos principais centros de entretenimento do mundo. Apresenta diversas actividades culturais ligadas à música, teatro e cinema, mas uma das suas principais atrações turísticas é Hollywood, devido à expectativa despertada pelos grandes actores do celulóide. Los Angeles é uma cidade cheia de oportunidades interessantes que você não pode perder.