Polónia, 8 Dias Adicionar a Favoritos

Percurso Polska, desde Varsóvia a Cracóvia

Ao seu gosto de carro

Desde 580  €  551  € 
Polónia: Percurso Polska, desde Varsóvia a Cracóvia, ao seu gosto de carro

Conheça a fascinante Polónia e as suas duas capitais, testemunhas do ressurgimento de um país

Propomos-lhe um interessante Percurso pelas principais cidades da Polónia, ponto destacado dos países da Europa de Leste. Conheça a rivalidade em beleza das duas cidades que foram capitais. Ambas ressurgidas das cinzas após a Segunda Guerra Mundial. Ambas elegantes e históricas, também partilham a classificação de Património da Humanidade: a imensa Varsóvia e a monumental Cracóvia. Um itinerário que se completa com os canais e pontes da "Veneza polaca" em Wroclaw; as portas de Gdansk, com o protagonismo do seu passado sindical, e a maravilhosa Poznan, origem do Estado polaco. A Polónia surpreende em cada recanto. Exala riqueza cultural e histórica, marcada pelas influências da Europa Ocidental e Oriental, e uma posição de fronteira com seis países, que também se traduz numa cozinha variada e original. O seu legado é prolixo e valioso, com 15 declarações Património da Humanidade pela Unesco. A Rota que propomos inclui elementos históricos que ligam à vergonha do Holocausto nazi, mas também refletem a fé na humanidade com visitas aos lugares onde Schindler e o casal Zabisnki, cuja grandeza foi recriada em filmes, salvaram muitos judeus da morte. São passagens cuja memória a Polónia reivindica para despertar as consciências.

Serviços incluídos na viagem

  • Vôo de ida e volta.
  • Estadia em hotel seleccionado em Varsóvia.
  • Regime seleccionado em Varsóvia.
  • Estadia em hotel seleccionado em Lodz.
  • Regime seleccionado em Lodz.
  • Estadia em hotel seleccionado em Gdansk.
  • Regime seleccionado em Gdansk.
  • Estadia em hotel seleccionado em Poznan.
  • Regime seleccionado em Poznan.
  • Estadia em hotel seleccionado em Breslávia.
  • Regime seleccionado em Breslávia.
  • Estadia em hotel seleccionado em Cracóvia.
  • Regime seleccionado em Cracóvia.
  • Aluguer de carro.
  • Seguro de Viagem.

Notas importantes

  • - Conduzir na Polónia: 1. Para conduzir na Polónia, tem de saber que é obrigatório ter as luzes do veículo ligadas a qualquer hora do dia. E cuidado nas cidades, onde o elétrico ainda é um meio de transporte público muito utilizado, que tem sempre prioridade. 2. O estado das estradas tem vindo a melhorar muito nos últimos anos. 3. Conduzir embriagado na Polónia é severamente punido. A quantidade de álcool permitida no sangue do condutor é de 0,2 mg/l. 4. Se pretender visitar o Parque Nacional dos Tatras ou outra área montanhosa no inverno, certifique-se de ter os pneus certos. 5. Passagens de fronteira entre a Polónia e a Eslováquia encontram-se em: Chocholow, Chyzne, Jurgow, Lysa Polana. 6. Limite de velocidade em estrada: 6.1. Zonas urbanizadas até 50 km/h (60km/h depois das 23h00). 6.2. Fora das povoações até 90 km/h. 6.3. Centros urbanos até 20 km/h. 6.4. Via rápida com duas faixas até 110 km/h. 6.5. Via rápida com duas faixas em cada sentido até 100 km/h. 6.6. Autoestrada até 130 km/h. 7. Os condutores de autocaravanas devem registar-se no sistema eletrónico de cobrança de portagens (ViaToll).
  • - Os quartos triplos em Europa são geralmente quartos com duas camas individuais ou uma de casal, nos quais se instala uma cama extra para a terceira pessoa, com os inconvenientes que isso implica, por essa razão, desaconselhamos o seu uso na medida do possível.
  • - As excursões e visitas sugeridas para cada dia são indicativas, podendo o turista personalizar a viagem de acordo com o seu programa, gostos e necessidades.
  • - Consulte a documentação necessária para entrar no país.
  • - O cartão de crédito é considerado uma garantia, pelo que, por vezes, o seu uso é imprescindível para se registar nos hotéis.
Itinerário Completo

Dia 1: Portugal - Varsovia

Partida do voo para a Polónia. Chegada, recolha do veículo alugado e saída para a cidade de Varsóvia. Dia livre para desfrutar desta magnífica cidade, que é a maior do país e sua capital desde 1596, quando o rei Segismundo III Vasa a mudou de Cracóvia. É emocionante passear pela cidade que viu nascer Marie Curie, uma das mulheres mais famosas da história, duas vezes prémio Nobel pelas suas descobertas no campo da radioatividade. Também aqui cresceu o famoso compositor e pianista Chopin. Ter o seu carro de aluguer oferece uma opção interessante: ir a Zelazowa Wola, a aldeia onde este génio musical nasceu, a 50 km de Varsóvia. Aí poderá ver a casa onde nasceu e visitar um museu dedicado a Chopin, onde há concertos da sua música exibidos no verão. (Nota. Desde a segunda quinzena de maio até finais de setembro, pode assistir a um concerto de piano da música de Chopin aos domingos, às 12h00 e às 16h00 no Parque Real Lazienki). Precisa de mais planos? Desfrute de um magnífico espetáculo de luz e som na Fonte Multimédia, nas margens do rio Vístula, perto do Castelo Real. (Nota. Aos domingos, a entrada no Castelo Real é gratuita. Recomendamos ir cedo para obter entrada). Há uma opção muito interessante nesta cidade: visitar o jardim zoológico, e não só pela presença dos seus animais, já que este zoo tem um simbolismo especial. Em 1939, o jardim zoológico, um dos mais famosos na Europa, foi bombardeado pelos nazis. O mais fascinante da sua história, que demonstra a esperança no ser humano, em contraste com as ações de Hitler, chegou no início dos anos 40. O casal Jan e Antonina Zabinski dirigia o zoo e aproveitou a sua posição para aí esconder cerca de 300 judeus e membros da Resistência polaca. O seu feito, colocando em risco as suas próprias vidas, foi reconstituído no recente filme "A Casa da Esperança". Recomendamos terminar o dia com um típico e económico jantar, que também lhe permitirá ter um vislumbre da vida polaca antes da queda do comunismo: saborear uma boa sopa acompanhada por um copo de leite nos tradicionais "Bares de Leite", locais criados na década de 60 e hoje quase todos encerrados - mas restam alguns e vale a pena viver o seu ambiente. (Nota. Chamam-se "Bares de Leite" porque prevalecem os pratos tradicionais feitos de farinha, queijo, leite e ovos). Se preferir um ambiente mais exclusivo, há muitas opções na Cidade Velha, com uma gastronomia muito rica. A cozinha polaca é influenciada pelos seus países vizinhos (Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Alemanha, Lituânia e Eslovénia), pelo que este é mais um incentivo para desfrutar a viagem. Nos estabelecimentos conhecidos como "Kawiarnias", os cafés, chás, sopas e sobremesas são protagonistas. Prove uma sopa vermelha ou de cogumelos! Durante toda a viagem, descobrirá a deliciosa cozinha polaca, influenciada pela cozinha oriental e francesa. O resultado: pratos deliciosos que surpreenderão. Alojamento em Varsóvia.

Dia 2: Varsóvia - Lodz

Recomendamos que desfrute da manhã em Varsóvia. (Nota. A partir de meados de Maio e até meados de Setembro, aos fins-de-semana há atrações para turistas em Varsóvia. Além disso, todos os principais museus oferecem audioguias em espanhol). Reina uma atmosfera especial na Cidade Velha (Stare Miasto), totalmente reconstruída após a Segunda Guerra Mundial e reconhecida como Património da Humanidade pela UNESCO em 1980. As ruelas são feitas de casas dos séculos XV e XVIII rodeadas por restos das muralhas, com fossas e barbacãs. A Praça do Mercado é de uma grande beleza. As construções ao longo das ruas que formam a Via Real são edifícios principalmente históricos. Não perca o Castelo Real e a animada praça em frente a ele, conhecida como a Praça do Castelo, de formato triangular, no Bairro Antigo. Aí poderá ver a Coluna de Segismundo III, mandada erigir em 1644 pelo seu filho, Vladislav IV, e entreter-se nos seus mercados. É também referência indiscutível o Palácio Real e o Palácio da Cultura e da Ciência, um enorme edifício de 240 metros de altura, de estilo soviético, que foi um presente de Estaline para o povo polaco. É especialmente cativante o Parque Lazienki, com um palácio numa pequena ilha no meio de um lago. Aqui poderá ver um monumento a Chopin. Também recomendamos uma visita ao Palácio Wilanow, conhecido como o "Versalhes polaco" pela sua semelhança com o edifício parisiense, que foi a residência de verão da realeza polaca durante o século XVII. No seu interior encontram-se a igreja de Santa Ana e inúmeras obras de arte. (Nota. O palácio pode ser visitado das 9h30 às 15h00. Fechado à terça-feira. O jardim real pode ser visitado durante todo o ano; o horário varia, dependendo da época). Coma alguma coisa na Praça do Mercado, cheia de bares e restaurantes com esplanadas, antes de empreender o caminho para Lodz, localizada uma hora e meia de distância. Esta é uma cidade que se desenvolveu graças à indústria têxtil, que empregava polacos, ortodoxos, judeus e alemães, e testemunha disso é a arquitetura de fábricas e mansões do século XIX, bem como o original Festival do Diálogo das Quatro Culturas. O seu mais famoso símbolo é a Manufaktura, um espaço aberto e chamativo que tornou uma antiga fábrica num macrocomplexo comercial e de restauração. Também recomendamos uma visita ao Museu Têxtil. Pode jantar aqui ou na rua Piotrkrowska, imponente e animada, uma espécie de espinha dorsal da cidade, cheia de esplanadas e com cerca de cem pubs. Chamam a atenção algumas paredes com graffiti artísticos. Se chegar a tempo, recomendamos uma visita ao subsolo da cidade, com galerias misteriosas que refletem a organização peculiar da cidade no passado. Alojamento em Lodz.

Dia 3: Lodz - Gdansk

Tome o pequeno-almoço na animada rua Piotrkrowska e despeça-se de Lodz para seguir até Gdansk, a três horas de caminho. Visite a maior cidade portuária da Polónia e as suas atrações, como a rua Dluga, à qual se acede pelo grande arco da Porta Dourada (Zlota Brama), e em cujo cruzamento com a rua Boguslawskiego começa a Rota Real. Aqui se encontra a Porta Alta (Brama Wyzsza), com a fachada decorada com inscrições e emblemas da antiga Cidade Livre de Gdansk. Na rua Dluga erguem-se edifícios altos e estreitos dos antigos burgueses, até terminar na Câmara Municipal, construída no século XIV, com uma torre que tem no topo uma estátua do rei Segismundo II. Também aqui se encontra fonte de Neptuno, símbolo da cidade. No final da rua, pode atravessar a Porta Verde (Zielona Brama), pela qual se chega a um passeio que se estende ao longo do rio Motlawa e que passa pela Ponte Verde, que leva até à Ilha dos Celeiros. A Porta de Santa Maria, com duas torres nas extremidades, dá entrada para a rua Mariacka, onde poderá comprar alguma joia de âmbar como lembrança. No final desta, fica a grande Basílica de Nossa Senhora, um enorme edifício de mosaicos. Da sua torre, a 80 metros de altura, pode desfrutar-se de vistas espetaculares. Também recomendamos visitar o famoso edifício da Velha Grua, a maior da Europa nos tempos medievais, que foi utilizada na construção naval. É interessante a visita aos Estaleiros, devido à sua importância no passado, à origem sindical, foco de greves e protestos que contribuiriam para a queda do comunismo na Polónia. Três cruzes de ferro enormes lembram os trabalhadores mortos no estaleiro. Outro local essencial para a compreensão da cidade é o Museu da Segunda Guerra Mundial. Termine a visita na Catedral Oliwa e dando um passeio à noite e jantando na Praça do Mercado, onde os cafés e restaurantes estão sempre cheios. (Nota. De Gdansk, pode chegar-se a praias como a da ilha Sobieszewska, a 18 quilómetros, ou à praia de Sopot, a 20 quilómetros, onde fica o Grand, um dos mais emblemáticos hotéis desta cidade de veraneio. Alojamento em Gdansk.

Dia 4: Gdansk - Malbork - Torun - Poznan

Despeça-se desta cidade vibrante e continue a Rota para Poznan. (Nota. Hoje recomendamos começar cedo o dia, já que estão programados muitos pontos na Rota e de Torun a Poznan não existe autoestrada). Faça uma paragem na fortaleza teutónica de Malbork, a uma hora de carro de Gdansk. É o maior castelo medieval da Europa, do século XIV, construído pela Ordem dos Cavaleiros Teutónicos, fundada na Palestina em 1190 durante a Terceira Cruzada, formada principalmente por nobres alemães. A fortaleza, de tijolo vermelho, fica nas margens do rio Nogat e consiste em três castelos e vários edifícios. Continue caminho até Torun, a uma hora e 45 minutos. Não perca a sua cidade velha, intacta desde há 700 anos, o que lhe valeu a inclusão na lista de cidades Património da Humanidade da Unesco desde 1997. Este é o local de nascimento de Copérnico, cuja casa pode ser visitada. (Nota. A casa de Copérnico está no centro histórico e permanecerá fechada até junho de 2018 para renovação. Uma vez reaberta ao público, poderá ser acedida a pé. Recomendamos estacionar o carro em estacionamentos localizados fora da cidade velha). Como esta, outras casas em estilo gótico, com tetos adornados com frescos, completam a arquitetura interessante da cidade. A nossa próxima recomendação levá-lo-á ao museu do "Piernik" (biscoitos de gengibre). A entrada custa menos de 4 €. Para a visita em inglês, é preciso reservar online. Continue para Poznan, a trepidante metrópole do oeste polaco, a duas horas e um quarto de carro, onde a primeira catedral do país foi construída: a Catedral de Ostrów Tumski, localizada numa pequena ilha no rio, lugar muito simbólico por ser onde nasceu o Estado da Polónia. Visita à Igreja de São Estanislau, de estilo barroco, construída pela ordem dos Jesuítas, onde no Verão são organizados concertos gratuitos. Faça um passeio da Praça do Mercado, rodeada por casas de estilo barroco, gótico e renascentista, com fachadas coloridas. Aí poderá admirar a Câmara Municipal, reconstruída no século XVI em estilo renascentista, que se destaca quando, no relógio da torre, dois cabritos mecânicos marcam as 12 horas. Poznan tem uma animada vida noturna, graças aos estudantes universitários. Para o jantar, recomendamos os arredores de Kuchnia Chrisa, onde encontrará uma grande variedade de ofertas. Alojamento em Poznan.

Dia 5: Poznan - Wroclaw (visita opcional ao Swidnica e Castelo de Ksiaz)

Partida para a bela cidade onde mais de 100 pontes e passadiços atravessam o rio Oder e os seus braços: Wroclaw, localizada a cerca de três horas de viagem, não havendo autoestrada e sendo a estrada bastante movimentada. Esta localidade assenta em doze ilhas. Água e pontes valeram-lhe o cognome de "Veneza da Polónia". A arquitetura contém vestígios da cultura checa, polaca, austríaca, húngara e alemã. Essencial é a Praça do Mercado, de estilo gótico, ladeada por casas coloridas, e a Câmara Municipal, do século XIII, uma dos maiores da Europa, pérola autêntica da arquitetura profana da Silésia com os seus pináculos e o seu relógio astronómico. Não perca a Catedral de São João Batista que, após a Segunda Guerra Mundial, foi reconstruída e só mantém o seu pórtico medieval original, e a Universidade, por onde passaram vários prémios Nobel. Daqui seguirá para Swidnica, uma hora de distância, onde pode visitar a Igreja da Paz, construído em madeira, e Castelo de Ksiaz, a 15 minutos, de extraordinária beleza, tanto o edifício como a área circundante, onde se erguem florestas densas percorridas durante décadas em busca de um comboio nazi carregado de ouro. O Castelo abre ao público todos os dias da semana e o horário varia, dependendo do dia, mas na faixa das 10h00 às 15h00 está sempre aberto. É possível visitá-lo por completo ou apenas por zonas (o preço normal para todas as áreas é de 8,5 euros). Neste Castelo, transformado em quartel-general pelos nazis, há um complexo subterrâneo misterioso conhecido como "Riese" (gigante), constituído por uma rede impressionante de túneis, a 50 metros de profundidade e de enormes dimensões. Os subterrâneos podem ser visitados apenas com um guia (em polaco). (Notas. Os bilhetes podem ser reservados online ou comprados na bilheteira à hora determinada, desde que haja lugares disponíveis. Os terraços e o jardim do príncipe podem ser visitados apenas de abril a setembro. Há também visitas noturnas, anunciando-se as datas disponíveis no final de cada mês. Poderá estacionar o carro num parque a 900 metros do castelo. O estacionamento é pago (cerca de 2 €). De abril a outubro, o parque de estacionamento funciona 24 horas; no inverno está disponível até uma hora após a última entrada para o castelo. Pode aceder ao parque de estacionamento e ao castelo pela estrada n.º 35). Retome o caminho de regresso a Wroclaw, a uma hora, onde lhe propomos a divertida tarefa de localizar os mais de 200 anões ou "krasnales", figuras de metal espalhadas pela cidade. Diz a lenda que, se vir mais de sete terá boa sorte; assim, pelo sim pelo não, procure as estatuetas destes seres amigáveis. Jante batatas com requeijão e costeletas grelhadas e dê um passeio pelo movimentado centro histórico para encerrar um dia interessante. Alojamento em Wroclaw.

Dia 6: Wroclaw - Czestochowa (Mosteiro de Jasna/Virgem Negra de Czestochowa) - Auschwitz - Wadowice - Krakow

Partida para Cracóvia. Faça uma paragem a duas horas e meia, no Mosteiro de Jasna Gora, onde se encontra a Virgem Negra de Czestochowa, ícone da Virgem Maria, símbolo nacional da Polónia. Não se sabe ao certo a antiguidade desta pintura muito antiga, em torno da qual há muitas lendas. (Notas. Todos os museus do mosteiro de Jasna Gorna estão abertos todos os dias das 9h00 às 16h00 horas, estendendo-se até 17h00 no verão. A peça mais valiosa é o ícone da Virgem Negra, visível em determinados momentos do dia. A imagem da Virgem Negra de Czestochowa está coberta entre as 12h00 e as 13h30 nos dias úteis, e entre as 13h00 e as 14h00 horas aos domingos e feriados. No conjunto há um posto de turismo onde se podem recolher os folhetos e planos turísticos em várias línguas. Podem-se reservar visitas guiadas em várias línguas a um preço de 25 € por pessoa para grupos de, no máximo, cinco pessoas, de acordo com as tarifas de 2017. O estacionamento mais próximo do mosteiro fica em Klasztorna, mas geralmente fica lotado rapidamente. É aconselhável estacionar na cidade). Após esta visita, se se interessa por História e quiser testemunhar a terrível realidade do passado, faça uma paragem em Oswiecim (Auschwitz), a uma hora e um quarto de caminho, para visitar o campo de concentração nazi e recordar a vergonha de um genocídio. (Nota. Especialmente na temporada alta, a visita ao Museu do Campo de Concentração nazi de Auschwitz Birkenau condicionará grande parte do dia de hoje. Poderá escolher entre uma visita livre ou guiada. Há visitas guiadas em espanhol, inglês, alemão, italiano, francês e polaco. Das 10h00 às 15h00 só são permitidas visitas guiadas (10 euros; há bilhetes com desconto para estudantes menores de 26 anos). Antes e depois das visitas guiadas a entrada é gratuita (tipo de bilhete "sem orientador"). Recomendamos não viajar para o Museu sem a reserva confirmada no site www.visit.auswitz.org com a data e hora concretas, e chegar com bastante antecedência, porque, por razões de segurança, costumam formar-se filas à entrada. Não é permitido o acesso com sacos que excedam as seguintes medidas: 30x20x10). Uma das vantagens de viajar com o nosso próprio carro é que podemos combinar esta visita com outras paragens próximas de grande interesse. Para o regresso, se dispuser de tempo, pode vir pela DK 44, que não é uma autoestrada, mas é bastante pitoresca, podendo visitar na Rota Wadowice, a cidade natal do Papa João Paulo II, uma típica pequena cidade da região da Polónia Menor. Muito perto da praça fica o local de nascimento de Karol Wojtyla (geralmente, há filas para entrar). Também na praça, pode-se provar o mil-folhas, que era o bolo favorito do Papa. Continue a Rota até Cracóvia, uma cidade fascinante, reconhecida como Património da Humanidade pela Unesco. Antiga capital do país, Cracóvia é considerada uma das mais belas cidades do mundo. Passeie pela cidade velha, dividida em três zonas com atrações específicas: a colina de Wawel (com o seu Castelo e a sua Catedral), a cidade medieval de Cracóvia e o núcleo medieval de Kazimierz. Hoje pode visitar a Praça Maior ou Praça do Mercado (Rynek Glowny), que é a maior praça medieval da Europa, ladeada por casas e igrejas antigas, incluindo a Basílica de Maria Santíssima, com duas torres desiguais, e a Igreja de São Wojciech, do século X. É interessante o complexo de Sukiennice, que tem um mercado de telas e esculturas, além do Museu Nacional de Arte de Cracóvia. Um bom lugar para jantar é um dos seus muitos restaurantes. Alojamento em Cracóvia.

Dia 7: Cracóvia - Wieliczka - Cracóvia

Aproveite a manhã para visitar o Castelo de Wawel e a colina, que constituem o mais importante lugar histórico e cultural da Polónia. O Castelo de Wawel é uma fortificação renascentista com quase mil anos de antiguidade e foi a sede dos reis da Polónia desde a Idade Média até ao século XVII. Atualmente, é um museu de arte muito proeminente. (Nota. Se pretender visitar o castelo, note que está fechado às segundas-feiras. De abril a outubro, há limite de entradas. Há audioguias em espanhol, mas o preço não está incluído no bilhete. O custo do audioguia é de 5 euros. Não se pode entrar com bagagem). A Catedral também vale a pena, local de coroação tradicional dos monarcas polacos. Recomendamos ir à mina Wieliczka, nas proximidades e a vinte minutos de carro, explorada continuamente desde o século XIII. São curiosas as suas salas e as esculturas esculpidas diretamente no sal. Atinge uma profundidade de 327 metros de profundidade e é um passeio turístico de 3,5 km. O seu interior é impressionante, com capelas esculpidas no sal e um lago subterrâneo. (Nota. Sendo uma rota subterrânea, pode agendar a visita às minas no dia anterior. A mina pode ser visitada todos os dias, exceto 1 de Janeiro, domingo de Páscoa, 1 de novembro, 24 e 25 de Dezembro, das 7h30 às 19h00 no verão e das 8h00 às 18h00 horas no inverno. Pode ser visitada apenas com guias e dentro do horário determinado. Há visitas guiadas em espanhol, italiano, francês, Inglês, alemão, polaco e russo. O preço da visita em idioma estrangeiro é de 21 euros. É melhor reservar os bilhetes online, onde se pode escolher a data e a hora da visita. A visita dura cerca de três horas. Recomenda-se levar roupa quente, a temperatura varia entre 14 °C e 16 °C). Após esta experiência fascinante, regresso a Cracóvia. Se tiver tempo, a cerca de onze quilómetros da mina de Wieliczka encontra-se o hotel mansão Dwór Sieraków, uma boa opção para um passeio ou desfrutar de um bom almoço. Já em Cracóvia ainda poderá desfrutar de um bom passeio pelo Bairro Judeu e visitar a fábrica de Oskar Schindler, que inspirou o famoso filme de Steven Spielberg. Outro ponto de interesse é a Praça dos Heróis do Gueto, com o seu monumento de cadeiras (cada uma representa mil mortes) em homenagem aos judeus deportados e assassinados pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Uma boa cerveja na cervejaria mais antiga da cidade, localizada no piso térreo da Câmara Municipal, é a melhor escolha para encerrar o dia. Alojamento em Cracóvia.

Dia 8: Cracóvia - Portugal

Comparência no aeroporto com antecedência suficiente para devolver o carro de aluguer e apanhar o avião que vai levar-nos de regresso à cidade de origem. Chegada. Fim da viagem e dos nossos serviços.

Varsóvia

Varsóvia é uma cidade vibrante, que oferece muitas opções para o viajante a descobrir isso, e apesar de seu passado histórico foi um pouco ocupado hoje é uma capital europeia com grande vitalidade. Cidade Velha de Varsóvia foi remodelado mistura com os estilos atuais, mas sem esquecer seu passado, resultando na combinação perfeita. Como a capital da Polónia situa-se no centro político e econômico do país e é conhecido internacionalmente por ter dado o seu nome à famosa "Pacto de Varsóvia".

Lodz

Gdansk

Malbork

Torun

Poznan

Poznan é uma das cidades mais antigas dentro da polónia e conta uma ligação ferroviária excelente, sobretudo para quem deseja conhecer as cidades que a rodeiam. Foi durante muitos anos a capitla polaca assim como a residência dos primeiros monarcas. Conta portanto com um rico passado histórico. Não poderá abandonar esta cidade sem visitar a sua emblemática Catedral com a sua capela dourada, o Castelo do Emperador ou a Feira Nacional de Poznan.

Breslávia

Breslávia está localizada no sudoeste da Polónia numa antiga zona dedicada ao comércio. Devido ao seu agitado passado, actualmente recebe milhares de turistas já que Breslávia sofreu as consequências da Segunda Guerra Mundial. Uma atracção turística desta região polaca é a rota dos duendes já que, no final dos anos 80, se convertetam num símbolo contra a ditadura comunista. Actualmente, é possível comprar um mapa em Breslávia para visitar as criaturas de bronze.

Czestochowa

No sul da Polónia podemos visitar a cidade de Czestochowa, um lugar de pregrinação muito importante dentro da Europa pela Virgem com o mesmo nome. O mosteiro de Jasna Góra recebe todos os anos visitante que desejam conhecer a cara religiosa da cidade de Czestochowa, assim como um retrato da virgem dentro da basílica católica.

Oswiecim

Cracóvia

Cracóvia tem sido o centro do cristianismo na Polonia e tem um passado histórico muito turbulento. O Bairro Judeu e a Cidade Velha são pontos obrigatórios de passagem, além da Praça do Mercado, que é o mais importante centro turístico, em Cracóvia. Definitivamente uma das principais atrações para os viajantes é o campo de concentração de Auschwitz, que está localizado a cerca de 60 km. de Cracóvia e que pode ser visitado em comboio.

Wieliczka

Catalogada como Património da Humanidade pela UNESCO, esta mina de sal (kopalnia soli) consta de 300 km de galerias repartidos em 9 níveis. A descida até -135 metros é realizada a pé. São muitas as surpresas que nos reserva (esculturas, lagos salinos, profundos poços), mas sem dúvida a apoteose da visita é a capela de cristal salino de Santa King, verdadeiro santuário subterrâneo iluminado por arañas de cristal salino e decorado com baixos-relevos e altares talhados no sal.