Cultura, compras e praia: o plano perfeito para a sua viagem à Tailândia

Permita que lhe apresentemos os nossos recantos favoritos da capital tailandesa, a fascinante Banguecoque.

Conhecida como a Grande Dama da Ásia, esta cosmopolita e moderna urbe surpreende pela sua arquitectura tradicional repleta de cores, a sua delicada espiritualidade, os seus incontáveis estabelecimentos comerciais, os seus canais e a hospitalidade dos seus habitantes. Após entrar em contacto com eles, entenderá porque a Tailândia foi rebaptizada como o país do Eterno Sorriso.

E para dar um toque especial a estas férias, nada melhor que terminar as férias nas praias de Krabi, com uma paisagem marítima repleta de paradisíacas ilhas calcárias.

Venha passar as suas férias connosco neste destino imprescindível!

Descubra o programa da viagem

Tailandia

Dias 1 e 2: Portugal-Banguecoque

Voo com destino a Banguecoque, a capital de Tailândia. Noite a bordo. Depois de aterrarmos na capital tailandesa, transfer até ao nosso hotel. O resto do dia poderá aproveitar para começar a percorrer a cidade por sua conta. Alojamento.

Dia 3: Banguecoque

Pequeno-almoço no hotel e terá um dia à sua disposição para continuar a percorrer a Cidades dos Mil Templos e as suas imediações à sua vontade. Alojamento.

Dia 4: Banguecoque

Pequeno-almoço no hotel e terá um dia à sua disposição para continuar a percorrer a Cidades dos Mil Templos e as suas imediações à sua vontade. Alojamento.

Dia 5: Banguecoque-Krabi

Pequeno-almoço buffet no hotel e dia livre para que acabe de explorar Banguecoque ao seu gosto antes de voarmos para a província de Krabi. À hora combinada, iremos ao aeroporto para embarcar em voo até Krabi. À chegada, transfer para o hotel seleccionado e alojamento.

Dia 6: Krabi

Neste dia, estará à sua vontade, em regime de alojamento e pequeno-almoço para que possa descobrir a incrível província de Krabi e as suas imediações.

Dia 7: Krabi

Pequeno-almoço buffet no hotel e dia livre para que possa continuar a desfrutar os surpreendentes recantos de Krabi. Alojamento.

Dia 8: Krabi

Aproveite o penúltimo dia na Tailândia para acabar de conhecer Krabi com total liberdade.

Dia 9: Krabi-Portugal

Pequeno-almoço no hotel e transfer para o aeroporto para voar de regresso a Portugal. Chegada e fim dos nossos serviços. Esperamos que tenha sido uma experiência realmente especial e que tenhamos a ocasião de voltar a ver-nos brevemente!

Visitar o mercado flutuante de Damnern Saduak

Submerja-se num espectáculo incomparável navegando pelos canais

Poucas imagens resultam mais características deste país asiático que os seus mercados flutuantes. Trata-se de uma explosão de cores, aromas e sensações que ninguém deveria perder na sua primeira visita à Tailândia. Assim, o mercado de Damnern Saduak é uma visita obrigatória durante a sua estadia em Banguecoque. E para que o possa comprovar, convidamos-lhe a participar neste incrível passeio que lhe proporcionará inesquecíveis recordações.

Esta aventura será iniciada bem cedo pela manhã, partindo do nosso hotel em Banguecoque em direcção a Damnern Saduak. Ali realizaremos um emocionante passeio de barco para sentir o seu vibrante dia a dia, marcado pelo bulício dos comerciantes que vendem os seus produtos de barco para barco ou da sua própria embarcação na margem.

Irá surpreendê-lo a grande variedade de bens e produtos que aqui se podem comprar, apesar de se destacarem os produtos do campo. Há melhor ocasião para pôr em prática os seus dotes de regatear?

Após o passeio iremos ao espectacular Phra Pathom Chedi. Situado em Nakorn Pathom, trata-se do monumento budista mais alto do mundo.

Para redondear esta incrível visita, degustaremos um suculento almoço em Samphran Riverside e, para acabar, desfrutaremos um espectáculo cultural no Jardim das Rosas que nos permitirá conhecer um pouco da cultura local: veremos representações de um casamento tailandês, a ordenação de um monge, uma demonstração de muay thai, uma luta de espadas e, para acabar, dança clássica e folclórica de todos os recantos da Tailândia.

Sabia que...

...o boxe tailandês também é conhecido como a “arte das oito armas”?

Esta modalidade, que recebe o nome de muay thai, ao contrário de outras variantes do boxe, é praticada utilizando os dois punhos, os dois cotovelos, os dois joelhos e os dois pés. Por este motivo, é um desporto muito exigente, no qual os boxeadores podem perder mais de 1.000 calorias numa hora.

muay thai é também um símbolo nacional da história e da identidade do reino da Tailândia. As suas origens remontam ao muay boran, uma variante tradicional que entronca com as artes marciais. De todos os modos, não deveremos ignorar que noutras áreas do sudeste asiático também existem disciplinas similares, como o prodal, próprio do Camboja; o muay lao, de Laos; o tomoy, vigente na Malásia, ou o lehwei de Myanmar (a antiga Birmânia).

Assistir a um jantar-cruzeiro pelo rio Chao Phraya, em Banguecoque

Contemple a cidade iluminada enquanto desfruta música ao vivo

Existe um lugar melhor em Banguecoque para contemplar a cidade que as águas do rio Chao Phraya? Garantimos que com nenhuma outra opção desfrutará mais esta cosmopolita urbe. Por este motivo, animamos-lhe a participar num espectacular jantar-cruzeiro a bordo de uma embarcação.

Não terá de preocupar-se por nada: nós encarregamo-nos de tudo. À hora combinada, um dos nossos representantes na zona irá buscá-lo ao hotel e irá levá-lo até ao molhe, onde subirá a bordo de um barco com ar condicionado e equipado com todas as comodidades.

Durante a travessia, desfilarão diante dos seus olhos as imagens mais impactantes da área metropolitana de Banguecoque, cujos templos e arranha-céus iluminados dão lugar a uma panorâmica nocturna única. É de especial interesse o Palácio Real, cuja silhueta lhe hipnotizará. Para além da capital tailandesa, também terá a ocasião de contemplar a vila de Thonburi, que se ergue sobre a margem direita (ocidental) do rio.

Entretanto, saboreará um esplêndido jantar buffet em que não faltarão alguns pratos típicos da cozinha tai. Tudo isto com música ao vivo.

Que mais se pode pedir?

Sabia que...

...o nome completo da cidade de Banguecoque consta de 167 letras, e de 191 se seguimos a sua transliteração mais culta? Com semelhante registo, não é de estranhar que seja o topónimo oficial mais comprido do mundo.

De facto, o nome cerimonial completo é o seguinte: Krung Thep Mahanakhon Amon Rattanakosindra Mahinthara Ayutthaya Mahadilok Phop Noppharat Ratchathani Burirom Udomratchaniwet Mahasathan Amon Piman Awatan Sathit Sakkathattiya Witsanukam Prasit.

Esta denominação pode ser traduzida da seguinte forma: “Cidade de anjos, a grande cidade, a cidade de jóia eterna, a cidade impenetrável do deus Indra, a magnífica capital do mundo dotada com nove pedras preciosas, a cidade feliz, que abunda num colossal Palácio Real que se assemelha ao domicílio divino onde reinam os deuses reencarnados, uma cidade brindada por Indra e construída por Vishnukarn.”

Visitar os canais de Banguecoque e o templo de Aurora

Deixe-se seduzir por um dos recantos mais pitorescos da capital tailandesa

Deseja conhecer a essência mais genuína de Banguecoque e ao mesmo tempo maravilhar-se perante uma das jóias arquitectónicas da capital? Se é assim, convidamos-lhe a realizar este atractivo percurso, no qual poderá contemplar os canais do rio Chao Phraya e extasiar-se perante um dos templos mais espectaculares da cidade.

Iniciaremos o percurso no leito fluvial que banha as ruas de Banguecoque e alimenta os numerosos canais que atravessam o traçado urbano. Neles, seremos testemunhas do peculiar dia a dia dos habitantes da zona, que vivem da água e pela água. De momento, não lhe contatemos mais detalhes, para que a surpresa seja ainda maior.

Durante o percurso, também efectuaremos uma paragem num dos ícones mais famosos de Banguecoque: o templo da Aurora ou Wat Arun. Este imponente edifício deve o seu nome a Aruna, o deus hindu da Alba, já que, segundo conta a lenda, o rei Taksin chegou à devastada cidade de Ayutthaya ao nascer do sol, em Outubro de 1767.

A torre central do santuário (ou prang) tem uma altura de 82 metros, o que a converte na mais alta de Banguecoque. Não resulta menos chamativo o seu estilo arquitectónico, khmer, que evoca os templos cambojanos. Nas esquinas do templo, poderá ver outros quatro prangs de menor altura, se bem que todas elas estão decoradas com porcelana chinesa. No que respeita à sua ornamentação, também lhe chamará a atenção os guardas chineses que custodiam o recinto que o transportarão por um momento à arte e cultura do gigante asiático.

Sabia que...

...Banguecoque é uma cidade com uma influência marcadamente chinesa, o que também se reflecte na sua arquitectura?

De facto, a presença do gigante asiático em Banguecoque é anterior à sua fundação, quando Thonburi Si Mahasamut não passava de ser um pequeno porto comercial chinês junto ao rio Chao Phraya. Na década de 1780, coincidindo com o reinado de Ranma I, contratou-se moa de obra chinesa para construir a nova capital tailandesa. Contudo, os chineses já estavam instalados na zona e foram transladados para os distritos de Yaowarat e Sampeng (a actual Chinatown).

Também durante o reinado deste monarca, foram muitos os habitantes que começaram a prosperara: não era estranho vê-los a controlar lojas e negócios. Os europeus que visitaram a cidade na década de 1820 surpreenderam-se com o grande número de navios comerciais chineses que havia, ao ponto de pensar que esta nacionalidade era a que mais abundava na cidade. Além disso, os novos ricos chineses proporcionaram o nascimento das primeiras elites da Tailândia, exceptuado a realeza (os denominados jôw sŏoa ou senhores do comércio).

Já em tempos de Ranma II, a cidade começou a assimilar numerosos rasgos da cultura do chamado País do Centro, como o desenho, a moda, a literatura e, claro, a gastronomia. Os casamentos sino-siameses também se multiplicaram e nos inícios do século XX era quase impossível fazer uma distinção clara entre ambas as etnias.

Realizar um cruzeiro pelas ilhas Phi Phi

Admire as baías mais bonitas do sudeste asiático

Se visita Phuket, não pode deixar de aproveitar a sua estadia na zona para conhecer uma das paisagens costeiras mais fascinantes da Tailândia. Para tal, animamos-lhe a participar num cruzeiro pelas incríveis ilhas Phi Phi.

À hora combinada irão buscá-lo ao seu hotel e irão acompanhá-lo até ao porto, onde poderá embarcar numa experiência inesquecível, contornando impactantes falésias de 300 metros de altura. Estas fotogénicas vistas formam parte do Parque Nacional Marinho de Krabi, situado a 48 km de Phuket nas costas do mar de Andaman.

Neste cruzeiro poderá desfrutar uma agradável travessia de barco com ar condicionado e saboreando um delicioso lanche à base de refrescos e doces. Do barco, poderá extasiar-se perante a ilha de Phi Phi Le, onde se filmou o filme A Praia (2000), protagonizado por Leonardo DiCaprio. Isto será antes de chegar a Phi Phi Don, onde poderá banhar-se nas suas praias de areia branca e águas de cor turquesa. Aí, é possível apanhar um barco para explorar os incríveis recifes de coral da baía de Samhat, um lugar perfeito para a prática de snorkel, já que lhe proporcionaram o material essencial.

Após esta experiência única poderá recuperar forças com um almoço buffet (incluído no preço da actividade) e dar uma volta de barco para que possa contemplar as mais belas baías da Ásia antes de regressar ao seu hotel.

Sabia que...

...Ewan McGregor foi a primeira opção de Danny Boyle, o realizador de A Praia, para dar vida a Richard, personagem que acabaria para ser interpretado por Leonardo DiCaprio?

Porém, o estúdio preferia o protagonista de Titanic e decidiu contratar a estrela antes que Boyle pudesse intervir. De todos os modos a história é mais complicada do que poderia parecer: apesar de o próprio McGregor culpar os produtores pelo ocorrido, diz-se que o actor deixou de falar com Boyle por causa deste incidente.

Outra curiosidade acerca do filme é a cena em que se recria um videojogo com DiCaprio na selva se inspirou no videojogo Banjo-Kazooie, tal e como assegura o realizador do filme. As filmagens exigiram que se aplanasse a praia em que foram gravadas sequências (Maya Bay) e para essa finalidade foram utilizados vários tractores.

Guia de
Tailândia

Num país que o nome significa “Terra dos livres”, não é de estranhar que a diversidade seja a nota dominante. Neste destino mágico convivem sem fricções ascetas e polígamos das tribos de montanha, cidades cosmopolitas como Banguecoque e praias tropicais quase virgens, modernos resorts e aldeias que, apesar da sua beleza, permanecem alheias ao boom do turismo...

Tudo isto e muito mais na Tailândia: um território rico em contrastes. Assim, os seus 513.115 km², um pouco mais que Espanha, estão divididos em quatro zonas bem diferenciadas: o norte, sulcado por imponentes cadeias montanhosas, a vasta planície central que compreende grande parte do delta do rio Cha Phraya e uma extensa região agrícola muito povoada irrigada por numerosos canais; a meseta de Jorat, situada no noroeste e de escassa elevação e, por último, as colinas do sul, abundantes em riqueza mineral (com destaque para o estanho) e benzidas por magníficas ilhas e praias.

Para além da sua geografia, também se destaca a sua apaixonante história. Uma trajectória iniciada há cerca de 5.000 anos, quando a zona que hoje ocupa a Tailândia foi ocupada pelos povos australo-asiáticos mon e khmer. Estes eram os habitantes da zona quando, no século I d.C. chegaram os tais procedentes da China e se assentaram nos deltas dos rios Mekong e Menam. No século VI, os mons fundaram o reino de Dvaravati. Em 1238, os tais constituíram o reino de Sukhotai e em 1350, os siameses estabeleceram o reino de Ayutthaya junto a Cha Phraya. A unificação dos distintos territórios chegou em 1776 com Taksin, rei de Thonburi em 1782, Rama I fundou a dinastia Chakri (que ainda reina) e instalou a capital em Banguecoque.

Em 1826 os britânicos derrotaram os birmanos e conseguiram ficar com o monopólio para imprtação de ópio em Sião. Mais tarde, o rei Rama IV (1851-1868) concedeu-lhes, tal como aos franceses e norte-americanos, direitos de comércio e extraterritorialidade, antes que o seu sucessor, Rama V (1868-1910), abolisse a escravidão e modernizasse o país. Em 1932, uma revolução converteu a monarquia absoluta noutra de carácter constitucional. Em 1939 o país abandonou o nome de Sião para adoptar a sua denominação actual.

Actualmente, Tailândia é um dos centros turísticos mais apreciados do sudeste asiático. E não só pelas suas extraordinárias paisagens e praias mas também pelo seu património arquitectónico em forma de magníficos templos. Uma aspeto no qual influiu decisivamente o budismo theravada, que é a região de 94% dos 67 milhões de habitantes do país.

Se a tudo isto juntamos uma das tradições culinárias mais prestigiosas do mundo, entenderemos porque a Tailândia é um desses lugares que se devem visitar pelo menos uma vez na vida.

Aniversário de Rama IX
Sabia que...

...alguns tailandeses se vestem todas as segundas-feiras com uma peça de roupa amarela, para recordar que é o dia em que nasceu Bhumibol Adulyadej (Rama IX), o actual rei da Tailândia?

Esta é apenas uma prova de respeito reverencial que existe neste país à figura do seu monarca, o nono da dinastia Chakri e no trono desde 1946.

Outros exemplos da protecção a Rama IX é a proibição de criticá-lo (a lei prevê penas de prisão para aqueles que se atrevam a fazê-lo em público) ou o facto de que as estradas do país exibam enormes fotografias suas. Chama a atenção que se tratam de imagens antigas: nelas, o rei apresenta um aspecto juvenil, apesar de ter nascido em 1927.

Informação útil

Preparando a viagem
Documentação necessária

Necessita um passaporte com uma validade superior a 6 meses para entrar na Tailândia. Caso a sua estadia seja turística não terá de tramitar visto.

O prazo máximo de permanência neste país será de 30 dias se acede por via aérea e de 15 dias se acede pela fronteira terrestre. Assim, deve ter presente que não é possível estender esse limite quando a entrada se efectua sem visto. Por outro lado, qualquer estadia superior a 30 dias com objectivo turístico exige a obtenção prévia do visto numa Embaixada ou Consulado de Tailândia. As autoridades tailandesas não permitem entrar e sair do país indefinidamente cada 15 ou 30 dias e poderiam chegar a negar a entrada se consideram que reside ilegalmente no país.

Também deverá ter em conta que superar o limite de estadia é considerado delito grave, castigado com uma pena de 500 baths (cerca de 12 euros) por dia de estadia, até a um limite de 20.000 baths (cerca de 485 euros).

É também ilegal residir e trabalhar na Tailândia sem o correspondente visto e autorização de trabalho. Se a sua intenção é instalar-se neste país, deverá tramitar o seu visto nas Embaixadas ou Consulados da Tailândia.

Vacinas e saúde

Não há nenhuma vacina obrigatória para aqueles visitantes que não procedam de um país afectado pela febre amarela. De todos os modos, são recomendáveis as vacinas contra a hepatite A e B para aqueles viajantes que não tenham sido vacinados contras as mesmas ou que não tenham sofrido esta doença; a vacina contra a febre tifóide, sobretudo para aqueles que viajarem por sua conta e sem garantias sobre o controlo de alimentos e água que vão ingerir, e a vacina contra tétano e difteria para evitar complicações que podem derivar de uma ferida, queimadura ou arranhão.

Também é recomendável a vacina contra a encefalite japonesa a quem pretende visitar zonas rurais; contra a gripe e contra a raiva, doença da qual são portadores alguns animais selvagens.

Por outro lado, o Ministério da Saúde tailandês alertou para a alta prevalência de dengue, agravada pelo início das chuvas. O maior número de casos registaram-se no centro e norte do país. Os sintomas de dengue são parecidos com os da gripe: febre, dor muscular, náuseas e calafrios. Se tiver febre, deve ir imediatamente ao médico e excluir a opção de auto-medicação. Tomar aspirinas (ácido acerilsalicílico) pode ser perigoso. Apesar de que o dengue se cura com repouso, em certas variantes pode ser mortal. Evite as picaduras de mosquitos, causadoras da transmissão da doença, empregando para tal efeito repelentes especiais para zonas tropicais.

Como em muitos outros países não ocidentais, não se deve beber água não engarrafada. Assim, aconselhamos comer frutas e verduras previamente lavadas com água e algum desinfectante e descascadas.

Por outro lado, também há uma elevada incidência de doenças de transmissão sexual, sobretudo de sida.

Se viaja à Tailândia, aconselhamos contratar um bom seguro médico. Neste sentido, tenha em conta que os hospitais apenas aceitam pacientes com garantia de pagamento. Geralmente, os centros hospitalares, particularmente em Banguecoque, são de alto nível e com pessoal muito qualificado. Porém, são caros. Se decide contratar um seguro, tenha em conta que desde 22 de Maio de 2014, uma junta militar assumiu a administração do país e instaurou a lei marcial, que no final de 2014 ainda estava vigente.

Neste sentido, a maior dos seguros de viagem e seguros médicos não cobrem as eventualidades que possam suceder durante a viagem. Assim, recomendamos vivamente que consulte com a companhia de seguros as possíveis exclusões antes de viajar à Tailândia.

Roupa e material recomendados

Independentemente da época do ano em que realize a viagem, aconselhamos que leve consigo roupa fresca e ligeira (o algodão e o linho são tecidos ideais para o clima tropical da Tailândia). Também deve trazer fato de banho para desfrutar as praias e spas do país.

Se prevê viajar em Janeiro ou Dezembro, ou se pretende visitar as áreas montanhosas do norte do país (como Chiang Mai, Chiang Rai ou Pae), recomendamos que meta na mala uma camisola de manga comprida, assim como uma sweat-shirt ou um casaco fino para as noite já que a essas horas costuma refrescar. Também é conveniente levar um impermeável que será de grande utilidade, tanto se chove como se prevê viajar de barco.

Por outro lado, não se esqueça que alguns hotéis de luxo ou em determinados locais e restaurantes se deve levar roupa adequada durante o jantar.

Se pretende visitar templos budista, tenha em conta que os homens devem usar calças e as mulheres uma indumentária que não seja demasiado curta ou ajustada. Também terá de se descalçar sempre antes de aceder a um recinto sagrado ou a uma casa particular. O mesmo ocorre se participa em algum almoço ou jantar tradicional. Caso contrário, este descuido será visto como uma grave falta de respeito.

Por último, tenha sempre à mão um bom repelente de insectos específico para zonas tropicais já que estes são transmissores de doenças como o dengue.

Diferença horária

A hora oficial na Tailândia ao longo de todo o ano é GMT+7. Portanto, são mais sete horas que em Portugal continental e na Madeira durante o horário de Inverno (de finais de Outubro a finais de Março) e mais seis horas durante os meses restantes.

No destino
Moeda

A moeda oficial do país é o bath tailandês ou THB (1 euro equivale a cerca de 41,35 baths), que se divide por sua vez em 100 satangs. Actualmente há moedas de 25 e 50 satangs e de 1, 2, 5 e 10 baths. As peças mais antigas apenas têm os números em tai, enquanto que as novas também incluem números árabes. A moeda de 2 baths, introduzida em 2007, resulta algo confusa já que se assemelha muito à de 1 bath pelo seu tamanho e desenho.

Em relação às notas, há de 20 baths (verde), 50 baths (azul), 100 baths (vermelha), 500 baths (violeta) e 1000 baths (bege). Até aos anos 90 também se utilizavam notas de 10 baths. Hoje já não estão em circulação, mas ainda se podem ver de forma esporádica. Deverá rejeitá-lo se alguém intentar dá-lo como troco.

No que diz respeito aos cartões de crédito/débito emitidos no seu país de origem, permitem levantar dinheiro nos ATM's da Tailândia, mas só em baths. Do mesmo modo, esta forma de pagamento é aceite pela maioria de hotéis e restaurantes do país, sobretudo Visa, MasterCard e American Express.

Quando tiver de cambiar euros por baths, encontrará as melhores taxas de câmbio nos bancos, apesar de que quase todos cobram comissões.

Idioma

O idioma oficial da Tailândia é o tai e o siamês, originário da Índia e com influências de sânscrito e de pali. Na maioria dos hotéis, restaurantes e lojas dos centros turísticos e das principais cidades entendem e falam inglês. Contudo, o conhecimento desta língua entre a população é limitado. O mesmo ocorre com outros idiomas ocidentais, entre eles o espanhol, cujo grau de conhecimento é muito limitado.

Electricidade

A corrente eléctrica na Tailândia tem uma potência de 220 volts e uma frequência de 50 hertz. Contudo, neste país são utilizados vários tipos de tomada. Por este motivo recomendamos que leve consigo um adaptador.

Taxas do país

Não é necessário pagar nenhuma taxa antes de entrar ou sair do país. Apesar de que há alguns anos era necessário pagar uma quantia ao abandonar o país (700 baths, equivalentes a 15 euros), as autoridades locais optaram por repercutir esse valor nos preços dos bilhetes de avião com o objectivo de favorecer a chegada de turistas.

Compras

Os produtos nacionais mais típicos são a seda tailandesa, as antiguidades, o artesanato em madeira, as esculturas de bronze, a cerâmica (destacando a vermelha de Ddan Kwian ou a de cinco cores, benjàrong, típica do centro do país), os artigos lacados, o marfim, as sombrinhas de papel de arroz e as pedras preciosas e semipreciosas (tenha em conta que a Tailândia é um dos maiores exportadores desta mercadoria a nível mundial). Se opta por adquirir alguma pedra preciosa, faça-o em estabelecimentos que ofereçam garantias já que os vendedores ambulantes costumam vender pedras autênticas, apesar de qualidade inferior à anunciada.

Também é habitual que os turistas façam tatuagens rituais ou que desfrutem uma tradicional massagem tailandês em templos budistas e estabelecimentos acondicionados para tal. Por outro lado, não se esqueça que a Tailândia é considerada um dos maiores paraísos de compras à escala internacional.

Aduanas

A lei proíbe introduzir mais de 200 cigarros (um volume) por pessoa. Se excede esta quantidade, a multa é de 467,50 baths (cerca de 10 euros) por pacote se os cigarros são para consumo pessoal, ou de 701,25 baths (cerca de 29 euros) se são para uso comercial. O limite de álcool que se pode introduzir na Tailândia é de um litro por pessoa. Este lei é aplicável tanto para os viajantes com destino à Tailândia como para aqueles que estão em trânsito.

Logitravel.com

Mais de 2 milhões de passageiros reservaram as suas férias connosco em 2016. Os motivos?

  • Gama variada de produtos
  • Navegação rápida, simples e amena
  • Confirmação online da sua reserva
  • Importantes descontos por Venda Antecipada
  • As melhores Promoções de Última Hora
  • O melhor serviço de atenção ao cliente